Sobre


Refúgio é um lugar onde estamos acolhidos, protegidos de perigo iminente. Onde o encontramos diante da Covid? Em nossas casas? E como nos refugiamos da solidão do isolamento social? Nas telas, pela internet?

Talvez, o coronavírus tenha disseminado uma experiência de vulnerabilidade análoga àquela vivida desde sempre pelos povos refugiados. Desterrados em suas próprias casas. Sem chão.

Em 2021, o Sesc Quitandinha acolhe a Ocupação Refúgio como uma forma de explorar os recônditos dessa condição humana, através de experiências e narrativas interativas e imersivas na interseção entre arte, ciência e tecnologia. Baseado em pesquisa e cocriação, processos criativos abrem as portas para diferentes dimensões, possibilidades e significados da palavra refúgio em nosso contexto histórico.

As instalações artísticas Irifi: Estrelas do Deserto e Quarentena: como será o amanhã? abordam, respectivamente, a experiência de refúgio do povo saaraui desde 1975 no Saara Ocidental e das pessoas isoladas em suas casas durante a covid 19. A Mostra Corona Bug apresenta seis projetos online criativos nos quais equipe, participantes e público encontraram acolhimento durante a pandemia. Em paralelo, uma programação de debates, oficinas e residências no espaço presencial e virtual explora os desdobramentos com uma abordagem intensa em tecnologia, ciência e humanidades.